Entrevista com a Luly Trigo!

domingo, 9 de junho de 2013

Oi chuchus!
Bom, hoje o bate-papo é com a escritora do livro “Carnaval”, Luiza Trigo. Em breve publicarei a resenha do livro que eu amei, e super indico. (Compre aqui).
Vamos saber um pouco mais sobre a Luly? C’mon guys!
798310_332804656835659_513308887_o
734906_332567086859416_122575610_n
  1. Quem é a Luiza Trigo? Como você se define?
Acho que sou uma eterna criança, menina sapeca que gosta de brincar e pular pelas ruas. Que vive sonhando acordada e acredita em contos de fadas. E para quem acha que príncipe encantado não existe… Eu digo que existe sim! Sou louca por doces e Disney e gosto de levar a vida de uma maneira mais leve, mais alegre, não levo nada a sério, só se for muito necessário. E aproveitando a leveza do momento… pode me chamar de Luly. ;)
  1. Quando resolveu ser escritora? Por quê?
Eu acho que a vida fez de mim escritora. Eu nunca pensei em seguir essa profissão antes de ter escrito Carnaval. Quando escrevi o livro, foi tão rápido e mágico que eu digo que desceu um santo. Eu vou me vendo escritora com o passar do tempo,com a resposta do público, com os textos do blog, com as ideias na cabeça… E a cada dia mais tenho a certeza que isso é o que eu quero fazer para o resto da vida.
  1. Qual é a sua maior fonte de inspiração?
A minha vida e a vida que não vivi. Muito do que escrevo são cenas que aconteceram comigo, mas de uma forma diferente, de como eu gostaria que tivesse sido. E observo muito ao meu redor também, a vida das amigas, da família e até de estranhos na rua.
  1. Nesse caminho de escritora qual foi o maior obstáculo que teve de enfrentar? Por conta dele em algum momento você pensou em desistir?
Eu ainda estou no caminho, né?! E ainda estou enfrentando muitos obstáculos. Não vou mentir dizendo que nunca pensei em desistir, mas foi sempre daquela maneira que não é séria, sabe? Foi só um “se eu fosse engenheira seria tudo mais fácil”. (Risos). A vida de escritor iniciante é muito difícil,  mesmo com editora ainda temos muitas portas para bater e como ninguém nos conhece, muita gente não nos dá atenção. É um caminho difícil, mas com os leitores maravilhosos que tenho, fica difícil de desistir de verdade. São eles quem me mantém firme e forte.
  1. Os seus personagens têm muito a ver com algum amigo ou um parente seu?
Sim! Alguns muitos. Hehehe O Mateus, por exemplo, é um primo meu que adoro muito, apesar de não estar tendo muito contato com ele agora. As irmãs da Gabi são exatamente minhas irmãs, inclusive não escondi muito isso, já que os nomes são parecidíssimos, no livro: Lara e Marina, e na vida real Clara e Mariana. (Risos). A tia da Gabi é inspirada em uma tia maravilhosa que tenho no Recife. A Tatá é uma amiga exagerada e escandalosa… Entre alguns outros.
  1. A Gabi tem algumas coisas parecidas com você? O quê?
Acho que sim. Eu nunca tive muito medo de viver, de fazer as coisas que vinham na minha cabeça. Se eu estava afim do cara, eu conquistava o cara. Sempre fui de correr atrás do que quero. Eu levo comigo uma frase que adoro “Não arriscar nada, é arriscar tudo”, ou como meu namorado fala “O “não” você já tem”, por que não tentar, né?! Então eu acho que nesse sentido somos muito parecidas. Ela também é assim. E os gostos musicas, cinematográficos, os pintores que ela adora… São todos meus. (Risos)
  1. Assim que você lançou seu livro qual foi a coisa que mais te surpreendeu? 
A resposta e o carinho dos leitores. Eles são a melhor parte disso tudo. Eu amo muito escrever e entrar no mundo dos personagens, é um processo intenso e muito encantador, mas a reação dos leitores barra tudo isso. Como diz a Bruna Vieira, é quase como ouvir um “Te amo”  da pessoa amada.
  1. Quais são seus planos para o futuro?
Eu quero seguir escrevendo. Publicar os três outros livros já escritos e escrever as outras mil ideias que estão na cabeça. Queria muito ser colunista de revista teen, esse é um sonho meu e também escrever seriado para TV, mas infelizmente isso é uma coisa que não temos ainda no Brasil.
  1. Qual a sua dica para quem tem o sonho de ser escritor/a?
Acreditar em si mesmo e não desistir nunca. Como disse antes, o caminho é muito difícil e temos que passar por muitos “nãos”, mas não podemos deixar isso nos desanimar, temos que levantar a cabeça e seguir em frente, acreditando no nosso trabalho. Afinal somos brasileiros, não é?
10. Um recadinho para seus leitores:
Obrigada a todos vocês que leram essa entrevista. Aos meus velhos leitores, obrigada por todo carinho de vocês (SEMPRE). E aos novos, sejam bem vindos, espero que tenham gostado de mim. (Risos) E espero que se interessem pelo meu filhote. Um beijo para todos! :***
Babies, espero que tenham gostado do bate-papo com a Luly Trigo. Ela é uma fofa, né? Bom, vocês podem acompanhá-la pelo twitter, pela página oficial no facebook e também pelo blog dela. 

Beijitos!

0 comentários:

Postar um comentário

 
Entre Razão e Emoção © 2012 | Designed by Bubble Shooter, in collaboration with Reseller Hosting , Forum Jual Beli and Business Solutions